« Liturgia Dominical »  10 de setembro de 2017 † 14º DOMINGO DEPOIS DE PENTECOSTES verde – 2a. classe. « Vede as aves do céu, observai os lírios do campo », — confiai no vosso Pai do Céu. Intróito / PROTÉCTOR NOSTER — Salmo 83. 10-11, 2-3 O cristão, que implora a proteção divina, lembra humildemente a Deus tudo o que o […]
" /> Liturgia Dominical – nº 07 † 14º Domingo depois de Pentecostes

Liturgia Dominical – nº 07 † 14º Domingo depois de Pentecostes

« Liturgia Dominical »
 10 de setembro de 2017
† 14º DOMINGO DEPOIS DE PENTECOSTES
verde – 2a. classe.

« Vede as aves do céu, observai os lírios do campo », — confiai no vosso Pai do Céu.

Intróito / PROTÉCTOR NOSTER — Salmo 83. 10-11, 2-3

O cristão, que implora a proteção divina, lembra humildemente a Deus tudo o que o Senhor é para ele.

Protéctor noster, áspice, Deus, et réspice in fáciem Christi tui: quia mélior est dies una in átriis tuis super mília. Ps. Quam dilécta tabernácula tua, Dómine virtútum! concupíscit, et déficit ánima mea in átria Dómini. ℣. Glória Patri.

Volvei o olhar para nós, ó Deus, nosso protetor, e contemplai a face de vosso Ungido. É melhor um só dia em vossos átrios que mil, longe de Vós. Sl. Como são amáveis vossos tabernáculos, Senhor dos exércitos! Desfalece a minha alma suspirando pelos átrios do Senhor. ℣. Glória ao Pai.

Oração (Colecta)

Pedimos ao Senhor aquilo de que precisamos nesse dia para a nossa salvação.

Custódi, Dómine, quǽsumus, Ecclésiam tuam propitiatióne perpétua: et quia sine te lábitur humána mortálitas; tuis semper auxíliis et abstrahátur a nóxiis et ad salutária dirigátur. Per Dominum nostrum Iesum Christum.

Senhor, guardai a vossa Igreja com vossa constante misericórdia, e porque sem Vós a fraqueza humana desfalece, com o vosso auxílio afastai-a sempre do que é nocivo e conduzi-a para o que é salutar. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas 5. 16-24

Na medida em que se deixa guiar pelo Espírito de Deus, o cristão discerne o mal e dele se afasta, como por instinto. Com esta espontaneidade se inclina também para as « obras do Espírito ». De fato, um espírito novo transformou-lhe a vida.

Fratres: Spíritu ambuláte, et desidéria carnis non perficiétis. Caro enim concupíscit advérsus spíritum, spíritus autem advérsus carnem: hæc enim sibi ínvicem adversántur, ut non quæcúmque vultis, illa faciátis. Quod si spíritu ducímini, non estis sub lege. Manifésta sunt autem ópera carnis, quæ sunt fornicátio, immundítia, impudicítia, luxúria, idolórum sérvitus, venefícia, inimicítiæ, contentiónes, æmulatiónes, iræ, rixæ, dissensiónes, sectæ, invídiæ, homicídia, ebrietátes, comessatiónes, et his simília: quæ prædíco vobis, sicut prædíxi: quóniam, qui talia agunt, regnum Dei non consequántur. Fructus autem Spíritus est: cáritas, gáudium, pax, patiéntia, benígnitas, bónitas, longanímitas, mansuetúdo, fides, modéstia, continéntia, cástitas. Advérsus huiúsmodi non est lex. Qui autem sunt Christi, carnem suam crucifixérunt cum vítiis et concupiscéntiis.

Irmãos: 16Andai segundo o Espírito e não satisfareis os desejos da carne. 17Porque, a carne tem desejos contrários ao espírito, e o espírito à carne; pois, estas coisas são contrárias entre si, para que não façais tudo o que quereis. 18Se vos deixais conduzir pelo Espírito, não estais sob a lei. 19Ora, as obras da carne são manifestas; a fornicação, a impureza, a desonestidade, a luxúria, 20a idolatria, os malefícios, as inimizades, as contendas, as rivalidades, as iras, as discórdias, as discussões, as seitas, 21as invejas, os homicídios, a embriaguez, as glutonarias e coisas semelhantes a estas, contra as quais vos previno. Como já o disse: os que as cometem, não possuirão o Reino de Deus. 22Mas os frutos do Espírito são: a caridade, a alegria, a paz, a paciência, a benignidade, a bondade, a longanimidade, a mansidão, a fidelidade, a modéstia, 23a continência e a castidade. Contra tais coisas não há lei. 24Porque, os que são do Cristo crucificaram a sua carne com suas paixões e concupiscências.

Gradual / Salmo 117. 8-9

Gradual e Aleluia, são cantos intercalares, por via de regra, tirados dos salmos e que traduzem os devotos afetos produzidos na alma pela leitura da Epístola ou sugeridos pelo Mistério do dia.

Bonum est confidére in Dómino, quam confidére in hómine. V. Bonum est speráre in Dómino, quam speráre in princípibus.

É melhor confiar no Senhor do que confiar no homem. ℣. É melhor esperar no Senhor do que esperar nos príncipes.

Aleluia / Salmo 94. 1

Allelúia, allelúia.  ℣. Veníte, exsultémus Dómino, iubilémus Deo, salutári nostro. Allelúia.

Aleluia, aleluia. ℣. Vinde, exultemos no Senhor; regozijemo-nos em Deus, nosso Salvador. Aleluia.

Evangelho segundo São Mateus 6. 24-33

 « Procurai primeiro o reino de Deus e a sua justiça. » É da orientação fundamental da nossa vida que se trata: reservar a Deus a nossa alma, suceda o que suceder, mesmo no meio dos maiores cuidados.

In illo témpore: Dixit Iesus discípulis suis: Nemo potest duóbus dóminis servíre: aut enim unum ódio habébit, et álterum díliget: aut unum sustinébit, et álterum contémnet. Non potéstis Deo servíre et mammónæ. Ideo dico vobis, ne sollíciti sitis ánimæ vestræ, quid manducétis, neque córpori vestro, quid induámini. Nonne ánima plus est quam esca: et corpus plus quam vestiméntum? Respícite volatília coeli, quóniam non serunt neque metunt neque cóngregant in hórrea: et Pater vester coeléstis pascit illa. Nonne vos magis pluris estis illis? Quis autem vestrum cógitans potest adiícere ad statúram suam cúbitum unum? Et de vestiménto quid sollíciti estis? Consideráte lília agri, quómodo crescunt: non labórant neque nent. Dico autem vobis, quóniam nec Sálomon in omni glória sua coopértus est sicut unum ex istis. Si autem fænum agri, quod hódie est et cras in clíbanum míttitur, Deus sic vestit: quanto magis vos módicæ fídei? Nolíte ergo sollíciti esse, dicéntes: Quid manducábimus aut quid bibémus aut quo operiémur? Hæc enim ómnia gentes inquírunt. Scit enim Pater vester, quia his ómnibus indigétis. Quaerite ergo primum regnum Dei et iustítiam eius: et hæc ómnia adiiciéntur vobis.

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 24Ninguém pode servir a dois senhores. Porque, ou há de aborrecer a um e amar o outro, ou há de acomodar-se a este e desprezar aquele. Não podeis servir a Deus e às riquezas. 25Por isso vos digo: não vos inquieteis por vossa vida, com o que comereis, nem por vosso corpo, com o que vestireis. Não é a vida mais que o alimento, e o corpo mais que a vestimenta? 26Olhai para as aves do céu. Elas não semeiam, nem colhem, nem fazem provisão nos celeiros; contudo, vosso Pai celestial as sustenta. Não valeis vós muito mais do que elas? 27Qual de vós pode, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado sequer a sua estatura? 28E pela vestimenta, por que vos inquietais? Considerai como crescem os lírios do campo. Não trabalham nem fiam. 29Entretanto, digo-vos que nem Salomão, com toda a sua glória, se vestiu como um deles. 30Se, pois, Deus veste assim a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada ao fogo, que não fará por vós, homens de pouca fé? 31Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos ou que beberemos, ou com que nos vestiremos? 32Os pagãos é que se preocupam com essas coisas. Bem sabe vosso Pai que tendes necessidade de tudo isso. 33Procurai, antes de tudo, o Reino de Deus e a sua justiça, e tudo isso vos será dado por acréscimo.

Pregação

CREDO…

 Concluímos a Ante-Missa com essa profissão de fé.

Breve compêndio das verdades cristãs e Símbolo da fé católica. Com a Igreja, afirmemo-las publicamente e renovemos a profissão de fé que fizemos no Batismo.

Ofertório / Salmo 33. 8-9

Com o Ofertório, começa a segunda parte da Missa ou Sacrifício propriamente dito.

O Anjo do Senhor cerca aqueles que O temem e livrá-los-á. Provai e vede como o Senhor é amável.

Secreta

É a antiga « oração sobre as oblatas », ponto de ligação entre o Ofertório e o Cânon.

Concedei-nos, Senhor, Vos pedimos, que esta hóstia salutar nos purifique de nossos delitos e nos torne propícia vossa poderosa Majestade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Communio / Mateus 6.33

Alternando com o canto dum salmo, acompanhava (e ainda hoje pode acompanhar) a comunhão dos fiéis.

Nas Missas cantadas, se canta, enquanto o sacerdote toma as abluções e recita as orações seguintes em que se pedem para a alma os frutos da Comunhão.

Procurai, antes de tudo, o Reino de Deus, e tudo isso vos será dado por acréscimo, diz o Senhor.

Postcommunio

Súplica a Deus para que nos conceda os frutos do Sacrifício.

Fazei, Senhor, que os vossos Sacramentos sempre nos purifiquem e protejam e por seu efeito nos conduzam à salvação eterna. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Meditação

Os Dois Reinos

Sustentai, ó Senhor, a minha fraqueza para que eu possa chegar à posse do Vosso reino.

1 — O pensamento central da Missa de hoje encontramo-lo sintetizado na Colecta: « Ó Senhor… porque sem Vós sucumbe a humana fraqueza, pelo Vosso constante auxílio, livrai-a de todos os males e guiai-a pela senda do bem ». Perante a vida espiritual, o homem é como uma criança que se encontra numa encruzilhada: não sabe caminhar sozinho, não sabe que direção tomar para voltar para casa. Dois caminhos se abrem diante do cristão: um, conduz ao reino do espírito, ao reino de Deus; o outro, ao reino da carne, ao reino da riqueza. Qual dos dois escolherá? Evidentemente quer dar a preferência ao que conduz ao reino de Deus, Reino pacífico e doce, descrito por Jesus no Evangelho de hoje (Mt. 6, 24-33). Mas, infelizmente, o reino das riquezas e da carne tem atrativos e tenta seduzir-lhe o coração. Para resistir a estas lisonjas, a Epístola ensina-nos (Gal. 5, 16-24) que é preciso lutar: « a carne tem desejos contrários ao espírito, e o espírito desejos contrários à carne; estas coisas são contrárias entre si, para que não façais tudo aquilo que quereis ».

A luta é rude e por vezes levanta-se nas almas já resolutamente encaminhadas para o reino de Deus. Por quê? Porque a via que a ele conduz é áspera, fatigante, e penetra muitas vezes em densas trevas, sem que a alma se dê conta do caminho andado e dos progressos realizados. É preciso avançar na escuridão, crendo e esperando. Entretanto, porém, o olhar pára sobre outro caminho, mais largo, mais cômodo, semeado de bens sensíveis, que se vêem, se apalpam, se podem colher e gozar imediatamente: basta estender a mão. A alma sente a tentação e também sente que sozinha não pode resistir; se porém, se refugia em Deus, se se deixa conduzir pelo espírito, será salva, mas não sem sacrifício. « Andai segundo o espírito — insiste S. Paulo — e não satisfareis os desejos da carne… Ora bem, as obras da carne são manifestas… » e o Apóstolo dá-nos uma lista delas bem pouco lisonjeira. É sempre assim. Os bens materiais apresentam-se com o encanto das flores, mas é um encanto que se desfaz depressa em podridão. Não vale a pena deter-se neles! Por isso « os que são de Cristo crucificaram a sua própria carne com os vícios e concupiscências ».

2 — O Evangelho põe-nos de novo alerta contra o atrativo dos bens materiais. Afirma em primeiro lugar que não se pode servir ao mesmo tempo a dois senhores, a Deus e à riqueza, como também se não podem tomar simultaneamente dois caminhos: o do reino de Deus e o dos prazeres terrenos. O que se entregou a Deus deve ter a coragem de se entregar a Ele plenamente, sem queixumes, sem voltar — ainda que passageiramente — aos caminhos do mundo. A alma que, depois de ter escolhido o caminho da perfeição, o não percorre totalmente e com generosidade, nunca estará contente: não terá a alegria de se sentir de Deus, nem terá a satisfação de poder seguir todos os encantos do mundo; a primeira ser-lhe-á interdita pela sua infidelidade, a segunda pelo temor de Deus que ainda lhe resta. É uma infeliz, pois está dividida e em contínua luta consigo própria. Mas que é que nos impede de procurar totalmente o reino de Deus? Jesus di-lo no Evangelho de hoje: a demasiada solicitude pelo bem-estar material, pelas comodidades e pela segurança da vida presente. Apesar de querermos viver segundo o espírito, enquanto peregrinamos neste mundo num corpo mortal, estamos sempre sujeitos a deixar-nos invadir pelas preocupações materiais: « Que comeremos? Que beberemos? Com que nos vestiremos? » Para nos livrar destes cuidados, Jesus apresenta-nos a visão maravilhosa da divina Providência. « Olhai para as aves do céu que não semeiam nem ceifam, nem fazem provisão nos celeiros, e contudo o vosso Pai celeste as sustenta. Porventura não sois vós muito mais do que elas? » São palavras que dão asas, que dão vontade de lançar para longe todas as vãs preocupações terrenas a fim de nos concentrarmos na busca do reino de Deus: « Buscai, pois, em primeiro lugar, o reino de Deus e a sua justiça e todas estas coisas vos serão dadas por acréscimo ». Oh! Se tivéssemos mais fé na divina Providência, que livres não estaríamos para atender aos negócios da alma! E mesmo que fôssemos obrigados a ocupar-nos dos afazeres terrenos, não ficaríamos atolados neles, mas seríamos capazes de nos mover com plena liberdade de espírito.

Extraído do Livro Intimidade Divina­ — P. Gabriel de Santa Maria Madalena O.C.D.
Segunda edição (Traduzida da 12ª edição italiana) — 1967

Deixe seu Comentário


Todos os direitos reservados : Trinity Web