« Liturgia Dominical » Ano 6 – nº 330 – 13 de agosto de 2017 † 10º DOMINGO DEPOIS DE PENTECOSTES verde – 2a. classe.   « Graças Vos dou, ó Deus, porque não sou como os demais homens: como os ladrões, injustos, adúlteros, nem como este publicano ».   15 – terça-feira – branco – Assunção de Nossa Senhora– 1a. classe. 16o. […]
" /> Liturgia Dominical – nº 03 † 10º Domingo depois de Pentecostes

Liturgia Dominical – nº 03 † 10º Domingo depois de Pentecostes

« Liturgia Dominical »

Ano 6 – nº 330 – 13 de agosto de 2017

† 10º DOMINGO DEPOIS DE PENTECOSTES

verde – 2a. classe.

 

« Graças Vos dou, ó Deus, porque não sou como os demais homens: como os ladrões, injustos, adúlteros, nem como este publicano ».

 

15 – terça-feira – branco – Assunção de Nossa Senhora– 1a. classe.

16o. Aniversário da Carta de D. Licinio Rangel ao Santo Padre o Papa João Paulo II (15/08/2001).

 Dia 18, sexta-feira, 15o. Aniversário da Sagração Episcopal do Exmo. Sr. Bispo Titular de Cedamusa e Administrador Apostólico D. Fernando Arêas Rifan.

 Dia 19, sábado, 18 horas, Santa Missa Pontifical em Ação de Graças Pelos 15 anos da Administração Apostólica e Ordenação Episcopal de Dom Fernando Arêas Rifan, celebrada por S. Exª. Revmª. Dom Giovanni d’Aniello, Núncio Apostólico do Brasil.

Intróito / CUM CLAMÁREM — Salmo 54. 17-23; 2-3

O Intróito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia.

Canto solene de entrada, o Introito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia. Compunha-se antigamente duma antífona e de um salmo, que se cantava por inteiro. Hoje o salmo está reduzido a um só versículo.

Cum clamárem ad Dóminum, exaudívit vocem meam, ab his, qui appropínquant mihi: et humiliávit eos, qui est ante saecula et manet in ætérnum: iacta cogitátum tuum in Dómino, et ipse te enútriet.

Ps. Exáudi, Deus, oratiónem meam, et ne despéxeris deprecatiónem meam: inténde mihi et exáudi me.℣. Glória Patri.

Clamei ao Senhor, e Ele ouviu a minha voz e me livrou daqueles que me perseguem. E humilhou-os O que existe antes dos séculos, e subsistirá para sempre. Descansa no senhor os teus cuidados, e Ele mesmo te nutrirá. Sl. Ouvi, Ó Deus, a minha oração, e não desprezeis a minha súplica; atendei-me e escutai-me. ℣. Glória ao Pai.

Oração (Colecta)

Pedimos ao Senhor aquilo de que precisamos nesse dia para a nossa salvação.

Se Deus põe a sua onipotência ao serviço da sua misericórdia, podemos, mau grado as nossas faltas, dirigir-nos a Ele, e, apoiados na esperança, correr, sem temor, para a realização das suas promessas.

Deus, qui omnipoténtiam tuam parcéndo máxime et miserándo maniféstas: multíplica super nos misericórdiam tuam; ut, ad tua promíssa curréntes, coeléstium bonórum fácias esse consórtes. Per Dominum nostrum Iesum Christum.

Ó Deus, que manifestais a vossa onipotência, antes de tudo, compadecendo-Vos e perdoando, aumentai para conosco a vossa misericórdia1 e buscando as vossas promessas, fazei-nos participar dos bens celestes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

  1. Gratiam tuam em vez de misericordiam, na redação primitiva.

Epístola de São Paulo Apóstolo aos Coríntios I. 12. 2-11

A diversidade dos dons espirituais concedidos por Deus têm em vista o bem de todos, e é manifestação da presença do Espírito de Deus numa comunidade.

Fratres: Scitis, quóniam, cum gentes essétis, ad simulácra muta prout ducebámini eúntes. Ideo notum vobisfacio, quod nemo in Spíritu Dei loquens, dicit anáthema Iesu. Et nemo potest dícere, Dóminus Iesus, nisi in Spíritu Sancto. Divisiónes vero gratiárum sunt, idem autem Spíritus. Et divisiónes ministratiónum sunt, idem autem Dóminus. Et divisiónes operatiónum sunt, idem vero Deus, qui operátur ómnia in ómnibus. Unicuíque autem datur manifestátio Spíritus ad utilitátem. Alii quidem per Spíritum datur sermo sapiéntiæ álii autem sermo sciéntiæ secúndum eúndem Spíritum: álteri fides in eódem Spíritu: álii grátia sanitátum in uno Spíritu: álii operátio virtútum, álii prophétia, álii discrétio spirítuum, álii génera linguárum, álii interpretátio sermónum. Hæc autem ómnia operátur unus atque idem Spíritus, dívidens síngulis, prout vult.

Irmãos: 2Sabeis que, quando pagãos, vos deixastes conduzir, como o quiseram, aos ídolos mudos. 3Por isso vos faço saber que ninguém, falando, pelo Espírito de Deus, profere maldições contra Jesus. E ninguém pode dizer: Senhor Jesus, senão no Espírito Santo. 4Há realmente diversidade de graças, mas há um só Espírito. 5Há diversidade de ministérios, mas um mesmo é o Senhor. 6E há diversidade de operações, mas um mesmo é o Deus, que tudo em todos opera. 7A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito para utilidade (comum).8Assim, a um é concedida pelo Espírito a palavra da sabedoria, a outro, a palavra da ciência, pelo mesmo Espírito; 9a um terceiro, a fé pelo mesmo Espírito, a um, a graça de curar doenças no mesmo Espírito, 10a outro o dom dos milagres; a este, o dom da profecia, àquele, o discernimento dos espíritos; ainda a um, o dom das línguas, e a outro, a interpretação das palavras. 11Todas estas coisas, porém, opera o mesmo Espírito, que distribui a cada um como quer.

Gradual / Salmo 16. 8, 2

Gradual e Aleluia, são cantos intercalares, por via de regra, tirados dos salmos e que traduzem os devotos afetos produzidos na alma pela leitura da Epístola ou sugeridos pelo Mistério do dia.

Custódi me, Dómine, ut pupíllam óculi: sub umbra alárum tuárum protege me. De vultu tuo iudícium meum pródeat: óculi tui vídeant æquitátem.

Guardai-me, Senhor, como a pupila dos olhos; protegei-me à sombra de vossas asas. ℣. Venha de vossa face o meu julgamento; vejam os vossos olhos o que é justo.

Aleluia / Salmo 64. 2

Allelúia, alleluia. . Te decet hymnus, Deus, in Sion: et tibi reddétur votum in Ierúsalem. Allelúia.

Aleluia, aleluia. ℣. A vós, ó Deus, convém louvar em Sião; e a vós se pagará o voto em Jerusalém. Aleluia.

Evangelho segundo São Lucas 18. 9-14

A humildade atrai a benevolência divina; é familiar aos santos, que vivem em espirito de dependência total e constante em face de Deus.

In illo témpore: Dixit Iesus ad quosdam, qui in se confidébant tamquam iusti et aspernabántur céteros, parábolam istam: Duo hómines ascendérunt in templum, ut orárent: unus pharisaeus, et alter publicánus. Pharisaeus stans, hæc apud se orábat: Deus, grátias ago tibi, quia non sum sicut céteri hóminum: raptóres, iniústi, adúlteri: velut étiam hic publicánus. Ieiúno bis in sábbato: décimas do ómnium, quæ possídeo. Et publicánus a longe stans nolébat nec óculos ad coelum leváre: sed percutiébat pectus suum, dicens: Deus, propítius esto mihi peccatóri. Dico vobis: descéndit hic iustificátus in domum suam ab illo: quia omnis qui se exáltat, humiliábitur: et qui se humíliat, exaltábitur.

Naquele tempo, 9disse Jesus esta parábola a alguns que se tinham a si mesmos em conta de justos, e desprezavam os outros: 10Dois homens subiram ao templo para orar; um era fariseu e o outro, publicano. 11O fariseu, de pé, orava assim em seu íntimo: Graças Vos dou, ó Deus, porque não sou como os demais homens: como os ladrões, injustos, adúlteros, nem como este publicano. 12Jejuo duas vezes na semana; dou o dízimo de tudo quanto possuo. 13O publicano, porém, ficando de longe nem ousava levantar os olhos ao céu, mas batia no peito, e dizia: Ó Deus, sede propicio a mim pecador. 14Digo-vos que este voltou justificado para a sua casa, e aquele, não; porque, o que se eleva será humilhado, e o que se humilha, será exaltado.

CREDO…

Concluímos a Ante-Missa com essa profissão de fé.

Breve compêndio das verdades cristãs e Símbolo da fé católica. Com a Igreja, afirmemo-las publicamente e renovemos a profissão de fé que fizemos no Batismo.

Ofertório / Salmo 24. 1-3

 Com o Ofertório, começa a segunda parte da Missa ou Sacrifício propriamente dito.

Três elementos o constituíam antigamente: apresentação das oferendas, canto de procissão, oração sobre as oblatas.

Ad te, Dómine, levávi ánimam meam: Deus meus, in te confído, non erubéscam: neque irrídeant me inimíci mei: étenim univérsi, qui te exspéctant, non confundéntur.

A Vós, Senhor, elevo a minha alma; meu Deus, em Vós confio, não serei envergonhado. Não se riam de mim os meus adversários, porque, todos os que em Vós esperam, não serão confundidos.

Secreta

É a antiga « oração sobre as oblatas », ponto de ligação entre o Ofertório e o Cânon.

Tibi, Dómine, sacrifícia dicáta reddántur: quæ sic ad honórem nóminis tui deferénda tribuísti, ut eadem remédia fíeri nostra præstáres.
Per Dominum nostrum Iesum Christum. 

A Vós, Senhor, sejam consagrados estes sacrifícios que nos concedestes oferecer em honra de vosso Nome, para que ao mesmo tempo se tornem remédio para as nossas almas. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Communio / Salmo 50. 21

Alternando com o canto dum salmo, acompanhava (e ainda hoje pode acompanhar) a comunhão dos fiéis.

Nas Missas cantadas, se canta, enquanto o sacerdote toma as abluções e recita as orações seguintes em que se pedem para a alma os frutos da Comunhão.

Acceptábis sacrificium iustítiæ, oblatiónes et holocáusta, super altáre tuum, Dómine.

Aceitai, Senhor, sobre o vosso altar o Sacrifício de justiça, as ofertas e os holocaustos.

Postcommunio

Súplica a Deus para que nos conceda os frutos do Sacrifício.

Quǽsumus, Dómine, Deus noster: ut, quos divínis reparáre non désinis sacraméntis, tuis non destítuas benígnus auxíliis.
Per Dominum nostrum Iesum Christum. 

Nós Vos suplicamos, ó Senhor, nosso Deus, que por vossa bondade não priveis de vosso auxílio aqueles, aos quais não cessais de renovar com os divinos Sacramentos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Meditação

Caridade e Humildade

Dai-me, ó meu Deus, humildade e amor; que a humildade guarde em mim a caridade e que esta cresça na medida desejada por Vós.

1 — A liturgia apresenta-nos hoje, como num esboço, através dos textos da Missa, os traços fundamentais da alma cristã. Em primeiro lugar mostra-no-la vivificada pelo Espírito Santo que nela derrama os Seus dons, segundo nos diz S. Paulo na Epístola (I Cor. 12, 2-11). O Apóstolo detém-se a falar dos « carismas », daquelas graças especiais — tais como o dom das línguas, de ciência, de milagres, etc. — concedidas à Igreja primitiva com particular abundância pelo Espírito Santo. Embora estes dons sejam muito preciosos, são porém inferiores à graça e à caridade porque só a graça e a caridade podem conferir à alma a vida sobrenatural; os « carismas » podem acompanhá-la ou não, sem que por isso aumente ou diminua a sua intensidade. S. Tomás observa que a graça e a caridade santificam a alma e unem-na a Deus, ao passo que os carismas são antes ordenados para utilidade do próximo e podem subsistir mesmo naquele que não possui a graça. Aliás, também S. Paulo — e precisamente na mesma epístola, da qual hoje lemos um fragmento na Missa — depois de ter enumerado todos esses dons extraordinários, conclui com a famosa afirmação: tudo isto é nada sem a caridade. Esta é sempre a virtude « centro », a característica fundamental da alma cristã e, ao mesmo tempo, o maior dom que o Espírito Santo pode derramar em nós. Se o divino Paráclito não vivificasse as nossas almas com a caridade e com a graça que lhe está inseparavelmente unida, ninguém poderia fazer o menor ato de valor sobrenatural, nem sequer a pessoa mais virtuosa; « ninguém pode dizer: ‘Senhor Jesus’ senão pelo Espírito Santo », afirma o Apóstolo. Assim como a árvore privada da seiva vital não pode dar frutos, assim a alma que não é vivificada pelo Espírito Santo não pode realizar ações sobrenaturais. Eis o grande valor da graça e da caridade; vale mais o menor grau de graça e de caridade do que todos os dons extraordinários que podem dispor as almas para o bem, mas não têm poder nem para infundir nem para aumentar em nós a vida divina.

2 — O Evangelho (Lc. 18. 9-14), apresenta-nos outra característica fundamental da alma cristã: a humildade. A caridade é superior porque nos comunica a vida divina, mas a humildade tem uma grandíssima importância por ser a virtude que desimpede o terreno dando lugar à graça e à caridade. Este é o ensinamento que hoje recebemos de Jesus sob uma forma muito viva e concreta, através da parábola do fariseu e do publicano. O Evangelho diz-nos expressamente que Jesus falava para aqueles que « confiavam em si mesmos como se fossem justos e desprezavam os outros »; o fariseu é o seu protótipo e representa-os maravilhosamente. Ei-lo seguro da sua justiça, orgulhoso dos seus méritos: eu não roubo, não sou adúltero, jejuo e pago o dízimo. Que mais se pode pretender? No entanto, este homem soberbo não vê que lhe falta o melhor: a caridade; e isto é tão verdade que se lança contra os outros, acusando-os e condenando-os: « eu não sou como os outros homens, ladrões, injustos, adúlteros, nem como este publicano ». Não tendo caridade para com o próximo, também não podia ter caridade para com Deus. Com efeito, entrou no templo para orar e não foi capaz de fazer o menor ato de amor e de adoração e em vez de louvar a Deus pelos Seus benefícios, não fez mais que louvar-se a si mesmo. Na realidade este homem não sabia rezar porque não tinha caridade e não podia ter caridade porque estava cheio de soberba: « Deus resiste aos soberbos e dá a Sua graça aos humildes » (Tgo. 4, 6). Por isso, o fariseu regressa a casa condenado, não tanto pelo Senhor, que gosta sempre de usar de misericórdia, mas pela sua soberba que impede nele a obra da misericórdia.

A atitude do publicano é bem diferente: é um pobre homem, sabe que pecou, tem consciência da sua miséria moral; nem sequer possui a caridade porque o pecado é um obstáculo à caridade; mas é humilde, muito humilde, e confia na misericórdia de Deus: « Meu Deus, tende piedade de mim, pecador ». E Deus, que gosta de Se inclinar para os humildes, justifica-o logo: a sua humildade atraiu sobre ele a graça do Altíssimo. Sto. Agostinho diz: « Quanto mais agrada a Deus a humildade nas coisas mal feitas do que a soberba nas bem feitas! ». Não, não são as nossas virtudes, as nossas boas ações que nos justificam, mas a graça e a caridade que o Espírito Santo infunde nos nossos corações e que infunde « como Ele quer », mas sempre em proporção da nossa humildade.

Extraído do Livro Intimidade Divina­ — P. Gabriel de Santa Maria Madalena O.C.D.
Segunda edição (Traduzida da 12ª edição italiana) — 1967.

 

Deixe seu Comentário


Todos os direitos reservados : Trinity Web