No dia 19 de agosto passado, às 18 horas, celebrou a Missa Solene Pontifical em nossa Igreja Principal o Exmo. Sr. Núncio Apostólico, Dom Giovanni D’Aniello, com a presença de vários Bispos, especialmente Dom Orani João Tempesta, Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, e de Dom Roberto Francisco Ferreria Paz, Bispo Diocesano de […]
" /> 15 Anos de Graças

15 Anos de Graças

No dia 19 de agosto passado, às 18 horas, celebrou a Missa Solene Pontifical em nossa Igreja Principal o Exmo. Sr. Núncio Apostólico, Dom Giovanni D’Aniello, com a presença de vários Bispos, especialmente Dom Orani João Tempesta, Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, e de Dom Roberto Francisco Ferreria Paz, Bispo Diocesano de Campos, dezenas de sacerdotes e milhares de fiéis, principalmente das diversas paróquias de nossa Administração Apostólica, em ação de graças pelos 15 anos da criação da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney, grande graça e misericórdia que Deus nos concedeu por intermédio de sua Igreja, através do Santo Padre, o Papa S. João Paulo II.

Aflitos, com a situação canônica irregular em que nos encontrávamos, escrevemos ao Papa: “Beatíssimo Padre, humildemente prostrados aos pés de Vossa Santidade, nós, Sacerdotes da União Sacerdotal São João Maria Vianney, da Diocese de Campos…, pedimos vênia para formular ao Vigário de Cristo o nosso pedido e manifestar-lhe a nossa gratidão. Não temos nenhum título para Lhe apresentar: somos os últimos sacerdotes do seu presbitério. Não possuímos nem distinções, nem qualidades, nem méritos. A nossa condição, honrosa, aliás, de ser ovelha desse rebanho basta para atrair a atenção de Vossa Santidade. O único título que, pela graça de Deus, ostentamos com brio é o de católicos apostólicos romanos. E em nome dessa nossa Fé católica apostólica romana temos nos esforçado por guardar a Sagrada Tradição doutrinária e litúrgica que a Santa Igreja nos legou, esperando desse modo estar prestando o melhor serviço à Vossa Santidade e à Igreja. Beatíssimo Padre, embora sempre nos tenhamos considerado dentro da Igreja Católica, da qual nunca jamais tivemos a intenção de nos separar, contudo devido à situação da Igreja e a problemas que afetaram os católicos da linha tradicional, que são do conhecimento de Vossa Santidade e cremos, enchem o seu coração e o nosso de dor e angústia, fomos considerados juridicamente à margem da Igreja. É esse o nosso pedido: que sejamos aceitos e reconhecidos como católicos… E se, por acaso, no calor da batalha em defesa da verdade católica, cometemos algum erro ou causamos algum desgosto a Vossa Santidade, embora a nossa intenção tenha sido servir à Igreja, humildemente suplicamos o seu paternal perdão…” (15/8/2001).

Em sua resposta afirmativa, o Papa afirma: “acolhendo com afeto o vosso pedido de ser recebidos na plena comunhão da Igreja Católica, reconhecemos canonicamente a vossa pertença a ela”, e nos assegura que a nossa União Sacerdotal será “erigida canonicamente como Administração Apostólica de caráter pessoal, diretamente dependente da Sé Apostólica”, “forma jurídica de reconhecimento da vossa realidade eclesial, para assegurar o respeito de vossas características peculiares”. A realização dessa vontade do Papa concretizou-se no dia 18 de janeiro de 2002, na Catedral diocesana de Campos. Agora celebramos 15 anos desta grande graça e de todas as outras daí consequentes.  Uma grande vitória da Igreja! Deo gratias!

Dom Fernando A. Rifan

Deixe seu Comentário


Todos os direitos reservados : Trinity Web