« Liturgia Dominical » † 2.º DOMINGO DO ADVENTO roxo – 1ª classe. Intróito / Isaias 30. 30; Salmo 74. 2 O Intróito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia. Canto solene de entrada, o Introito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia. Compunha-se antigamente […]
" /> Liturgia Dominical – † 2º Domingo do Advento

Liturgia Dominical – † 2º Domingo do Advento

« Liturgia Dominical »

† 2.º DOMINGO DO ADVENTO
roxo – 1ª classe.

Intróito / Isaias 30. 30; Salmo 74. 2

O Intróito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia.

Canto solene de entrada, o Introito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia. Compunha-se antigamente duma antífona e de um salmo, que se cantava por inteiro. Hoje o salmo está reduzido a um só versículo.

Pópulus Sion, ecce, Dóminus véniet ad salvándas gentes: et audítam fáciet Dóminus glóriam vocis suæ in lætítia cordis vestri. Ps. Qui regis Israël, inténde: qui dedúcis, velut ovem, Ioseph. ℣. Glória Patri.

Povo de Sião, eis que o Senhor virá para salvar as nações; e o Senhor fará ouvir a glória de sua voz, para alegria de vosso coração. Sl. Vós, que governais a Israel, escutai; Vós, que conduzis a José como um pastor a ovelha. ℣. Glória ao Pai.

Oração (Colecta)

Pedimos ao Senhor aquilo de que precisamos nesse dia para a nossa salvação.

Numa breve oração, o celebrante resume e apresenta a Deus os votos de toda a assembleia, votos estes sugeridos pelo mistério ou solenidade do dia.

Excita, Dómine, corda nostra ad præparándas Unigéniti tui vias: ut, per eius advéntum, purificátis tibi méntibus servíre mereámur: Qui tecum vivit et regnat in unitáte.

Excitai, Senhor, os nossos corações para prepararmos os caminhos do vosso Unigênito, a fim de que, por sua vida, mereçamos servir-Vos, com as nossas almas purificadas. Ele que, sendo Deus, convosco vive e reina.

Epístola de São Paulo Apóstolo aos Romanos 15. 4-13

O chamamento de Deus dirige-se a todos os homens, sem olhar à origem ou ao ambiente em que vivam, a méritos ou privilégios. Lembrando esta verdade aos fiéis, convertidos do paganismo ou do judaísmo, S. Paulo dá graças a Deus por esta vocação universal, fundamento da esperança cristã.

Fatres: Quæcúmque scripta sunt, ad nostram doctrínam scripta sunt: ut per patiéntiam et consolatiónem Scripturárum spem habeámus. Deus autem patiéntiæ et solácii det vobis idípsum sápere in altérutrum secúndum Iesum Christum: ut unánimes, uno ore honorificétis Deum et Patrem Dómini nostri Iesu Christi. Propter quod suscípite ínvicem, sicut et Christus suscépit vos in honórem Dei. Dico enim Christum Iesum minístrum fuísse circumcisiónis propter veritátem Dei, ad confirmándas promissiónes patrum: gentes autem super misericórdia honoráre Deum, sicut scriptum est: Proptérea confitébor tibi in géntibus, Dómine, et nómini tuo cantábo. Et íterum dicit: Lætámini, gentes, cum plebe eius. Et iterum: Laudáte, omnes gentes, Dóminum: et magnificáte eum, omnes pópuli. Et rursus Isaías ait: Erit radix Iesse, et qui exsúrget régere gentes, in eum gentes sperábunt. Deus autem spei répleat vos omni gáudio et pace in credéndo: ut abundétis in spe et virtúte Spíritus Sancti.

Irmãos: Tudo o que está escrito foi escrito para nosso ensinamento, para que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança. O Deus da paciência e da consolação vos dê que tenhais entre vós sentimentos segundo Jesus Cristo, para que, unânimes, a uma voz, glorifiqueis a Deus, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo. Por isso, socorrei uns aos outros, como também o Cristo vos acolheu para glória de Deus1. Digo-vos, pois, que Jesus Cristo foi o ministro da circuncisão, em testemunho da fidelidade de Deus, e em ratificação das promessas feitas a nossos pais. Quanto aos gentios, que também glorifiquem a Deus em sua misericórdia, como está escrito: Por isso confessar-Vos-ei entre os povos, Senhor, e cantarei hinos a vosso Nome. Alhures, está ainda escrito: Alegrai-vos, nações, com o seu povo. E ainda: Louvai ao Senhor, todos os povos: celebrai-O, todas as nações. E também diz Isaías: Sairá uma raiz de Jessé e as nações esperarão n’Aquele que dela se levantará para regê-las.2 O Deus da esperança vos encha de toda alegria e paz em vossa fé; para que sejais riquíssimos da esperança e da virtude do Espírito Santo.

1 Dirigindo-se aos cristãos convertidos do paganismo, S. Paulo convida-os a que se mostrem benévolos com seus irmãos, tal como Jesus Cristo o havia sido com eles. Pregado em primeiro lugar aos Judeus, em virtude das promessas, o Evangelho, nem por isto deixou de se divulgar entre os pagãos, para glória de Deus e por pura misericórdia com eles.

2 Salmo 17.50; Deuteronômio 32.43; Salmo 116.1; Isaias 11.10.

Gradual / Salmo 49. 2-3, 5

Gradual e Aleluia, são cantos intercalares, por via de regra, tirados dos salmos e que traduzem os devotos afetos produzidos na alma pela leitura da Epístola ou sugeridos pelo Mistério do dia.

Ex Sion species decóris eius: Deus maniféste véniet, ℣. Congregáta illi sanctos eius, qui ordinavérunt testaméntum eius super sacrifícia.

De Sião irradia o esplendor de sua formosura. Deus aparecerá visivelmente. ℣. Congregai diante d’Ele os Santos que fizeram aliança para Lhe oferecer sacrifícios.

Aleluia / Salmo 121. 1

Allelúia, alleluia. ℣. Lætátus sum in his, quæ dicta sunt mihi: in domum Dómini íbimus. Allelúia.

Aleluia, aleluia. ℣. Alegrei-me com o que me foi dito: iremos para a casa do Senhor. Aleluia.

Evangelho segundo São Mateus 11. 2-10

Jesus define-se como Messias, tendo em vista aquilo de Isaias: « A boa nova é anunciada aos pobres. » E ajunta imediatamente: « Feliz aquele para quem Eu não for pedra de escândalo. » Fujamos de criar para nós um Messias e uma religião, segundo a nossa maneira de ver.

In illo tempore: Cum audísset Ioánnes in vínculis ópera Christi, mittens duos de discípulis suis, ait illi: Tu es, qui ventúrus es, an alium exspectámus ? Et respóndens Iesus, ait illis: Eúntes renuntiáte Ioánni, quæ audístis et vidístis. Cæci vident, claudi ámbulant, leprósi mundántur, surdi áudiunt, mórtui resúrgunt, páuperes evangelizántur: et beátus est, qui non fúerit scandalizátus in me. Illis autem abeúntibus, coepit Iesus dícere ad turbas de Ioánne: Quid exístis in desértum vidére ? arúndinem vento agitátam ? Sed quid exístis videre ? hóminem móllibus vestitum ? Ecce, qui móllibus vestiúntur, in dómibus regum sunt. Sed quid exístis vidére ? Prophétam ? Etiam dico vobis, et plus quam Prophétam. Hic est enim, de quo scriptum est: Ecce, ego mitto Angelum meum ante fáciem tuam, qui præparábit viam tuam ante te.

Naquele tempo, ouvindo João, no cárcere, as obras do Cristo, enviou dois de seus discípulos a dizer-Lhe: És Tu o que há de vir, ou devemos esperar por outro?3 E respondendo, Jesus lhes disse: Ide repetir a João o que ouvistes e vistes: os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, os pobres são evangelizados4 e bem-aventurado é aquele que de Mim não se escandalizar. E quando eles partiram, começou Jesus a falar ao povo acerca de João: Que saístes a ver no deserto? Uma cana agitada pelo vento? Mas, que saístes a ver? Um homem vestido suntuosamente? Ora, os que vestem roupas finas habitam os palácios dos reis. Então, que saístes a ver? Um Profeta? Sim, eu vos digo, e vistes mais que um Profeta. Porque, este é de quem está escrito5: Eis que envio diante de tua face o meu Mensageiro, que preparará o teu caminho diante de ti.

3 Expressão que não significa dúvida, mas impaciência.

4 Milagres, indicados por Isaías como sinais dos tempos messiânicos; 26. 19; 29. 18; 35. 5-6; 61. 1-2.

5 Malaquias 3. 1.

CREDO…

Concluímos a Ante-Missa com essa profissão de fé.

Breve compêndio das verdades cristãs e Símbolo da fé católica. Com a Igreja, afirmemo-las publicamente e renovemos a profissão de fé que fizemos no Batismo.

Ofertório / Salmo 84. 7-8

Com o Ofertório, começa a segunda parte da Missa ou Sacrifício propriamente dito.

Reconherce-á neste canto do ofertório o ardente apelo à salvação que vem de Deus, à sua misericórdia, apelo que a Igreja repete todos os dias, nas preces que o sacerdote pronuncia aos pés do altar.

Deus, tu convérsus vivificábis nos, et plebs tua lætábitur in te: osténde nobis, Dómine, misericórdiam tuam, et salutáre tuum da nobis.

Ó Deus, voltando-Vos para nós, dar-nos-eis vida nova, e em Vós se alegrará vosso povo. Mostrai-nos, Senhor, a vossa misericórdia, e dai-nos a vossa salvação.

Secreta

É a antiga “oração sobre as oblatas”, ponto de ligação entre o Ofertório e o Cânon.

Placáre, quǽsumus, Dómine, humilitátis nostræ précibus et hóstiis: et, ubi nulla suppétunt suffrágia meritórum, tuis nobis succúrre præsídiis. Per Dominum nostrum Jesum Christum.

Nós Vos suplicamos, Senhor, que Vos aplaqueis com as nossas humildes preces e sacrifícios e que o socorro de vossos auxílios supra a falta de nossos méritos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Communio / Baruque 5. 5; 4. 36;

Alternando com o canto dum salmo, acompanhava (e ainda hoje pode acompanhar) a comunhão dos fiéis.

Nas Missas cantadas, se canta, enquanto o sacerdote toma as abluções e recita as orações seguintes em que se pedem para a alma os frutos da Comunhão.

Jerúsalem, surge et sta in excélso, ei vide iucunditátem, quæ véniet tibi a Deo tuo.

Jerusalém, levanta-te e firma-te no alto, e vê o gozo que te virá de teu Deus.

Postcommunio

Súplica a Deus para que nos conceda os frutos do Sacrifício.

Repléti cibo spirituális alimóniæ, súpplices te, Dómine, deprecámur: ut, huius participatióne mystérii, dóceas nos terréna despícere et amáre cæléstia. Per Dominum nostrum Iesum Christum

Saciados, Senhor, com o Alimento espiritual, humildemente Vos suplicamos que, pela participação deste Mistério, nos ensineis a desprezar os bens terrestres e amar os celestes. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Meditação

O senhor Virá depressa

Ponho-me diante de Jesus Sacramentado para ouvir o Seu duplo convite à confiança e à penitência de que nos fala a liturgia de hoje.

1 — Depois de termos considerado o sublime programa de santificação a que todos devemos tender, é muito consolador meditar nos magníficos textos da liturgia de hoje: são um convite à plena confiança no auxílio divino. « Depressa virá a tua salvação; porque te consomes de tristeza?… Salvar-te-ei e livrar-te-ei, não temas… Como uma mãe consola seus filhos, assim eu vos consolarei a vós, diz o Senhor. » (BR.) O Senhor não nos quer na ansiedade e no desânimo. Se Ele nos propõe um caminho sublime de santidade, não nos deixa sós, mas está conosco para ser o nosso auxílio e sustentáculo.

A Missa do dia põe em evidência como Jesus não vem somente para o povo de Israel, para um número escasso de eleitos, mas para todos, até mesmo para os gentios. « Eis que o Senhor vem para salvar as nações ». (Intr.) Confiemos, portanto, e alegremo-nos conforme os desejos de São Paulo: « O Deus da esperança vos encha de todo gozo e de paz na vossa fé, para que abundeis na esperança ». (Ep. Rom. 15, 4-13) E para que a nossa esperança em Cristo seja estimulada também por fatos concretos, o Evangelho (Mt. 11, 2-10) descreve-nos a grandeza das Suas obras: « Os cegos veem, os coxos andam, os leprosos são limpos, os surdos ouvem, os mortos ressuscitam, os pobres são evangelizados ».

Não há miséria material ou moral que Jesus não possa curar; pede-nos apenas que Lhe vamos ao encontro com um coração dilatado pela fé, pela confiança absoluta no Seu onipotente amor misericordioso.

2 — No Evangelho de hoje Jesus apresenta-nos a figura forte e austera do Batista: « Que fostes vós ver ao deserto? Uma cana agitada pelo vento?… Um homem vestido de roupas delicadas? »

Se queremos preparar os nossos corações para a vinda do Senhor, devemos calcar aos pés os bens terrenos, como João Batista que, despojando-se de tudo, se retirou para o deserto a fim de se entregar a uma vida de penitência. O seu exemplo convida-nos a retirar-nos para o deserto interior do nosso coração, longe das criaturas, para esperar a vinda de Jesus num inteiro recolhimento, silêncio e solidão — tanto quanto nos permitam os deveres do nosso estado. E devemos perseverar nesta atitude mesmo no meio da aridez e do desânimo: « Eis que aparecerá o Senhor — canta o ofício do dia — e não faltará à Sua palavra: se demora, espera-O, pois que virá e não tardará » (BR.).

Ao recolhimento interior unamos um maior espírito de penitência e de mortificação. Examinemos com que generosidade praticamos as penitências e as mortificações prescritas pelas nossas regras, ou as que livremente nos impusemos com a aprovação dos nossos confessores ou superiores. Se neste ponto reconhecemos que fizemos pouco, será conveniente propor fazermos alguma mortificação especial: na comida, no descanso, no vestuário, em algum trabalho pesado ou pouco agradável à natureza…

Se queremos saborear as doces alegrias do Natal, devemos saber preparar-nos para elas com aquelas disposições que a Igreja hoje nos convida a pedir: « Nós Vos suplicamos, Senhor, que… nos ensineis a desprezar as coisas da terra e a amar as do céu ». (MR.)

Extraído do Livro Intimidade Divina­ — P. Gabriel de Santa Maria Madalena O.C.D.
Segunda edição (Traduzida da 12ª edição italiana) — 1967.

Deixe seu Comentário


Todos os direitos reservados : Trinity Web