« Liturgia Dominical » † Domingo dentro da oitava do Natal branco – 2ª classe. « Eis que este menino está destinado para ser ruína e ressurreição de muitos em Israel. » Intróito / DUM MÉDIUM — Sabedoria 18. 14-15; Salmo 92. 1 O Intróito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade […]
" /> Liturgia Dominical – † Domingo dentro da oitava do Natal

Liturgia Dominical – † Domingo dentro da oitava do Natal

« Liturgia Dominical »

† Domingo dentro da oitava do Natal
branco – 2ª classe.

« Eis que este menino está destinado para ser ruína e ressurreição de muitos em Israel. »

Intróito / DUM MÉDIUM — Sabedoria 18. 14-15; Salmo 92. 1

O Intróito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia.

Canto solene de entrada, o Introito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia. Compunha-se antigamente duma antífona e de um salmo, que se cantava por inteiro. Hoje o salmo está reduzido a um só versículo.

Dum médium siléntium tenérent ómnia, et nox in suo cursu médium iter háberet, omnípotens Sermo tuus, Dómine, de coelis a regálibus sédibus venit. Ps. Dóminus regnávit, decórem indútus est: indútus est Dóminus fortitúdinem, et præcínxit se. ℣.Glória Patri

Quando tudo repousava em profundo silêncio, e a noite ia no meio de seu curso, baixou, Senhor, dos céus, do trono real, vosso Verbo onipotente. Sl. O Senhor é Rei, envolto em magnificência; revestiu-se o Senhor de força e cingiu-se. ℣.Glória ao Pai.

Oração (Colecta)

Pedimos ao Senhor aquilo de que precisamos nesse dia para a nossa salvação.

Numa breve oração, o celebrante resume e apresenta a Deus os votos de toda a assembleia, votos estes sugeridos pelo mistério ou solenidade do dia.

Omnípotens sempitérne Deus, dírige actus nostros in beneplácito tuo: ut in nómine dilécti Fílii tui mereámur bonis opéribus abundáre: Qui tecum vivit et regnat.

Dirigi, ó Deus onipotente e eterno, as nossas ações segundo o vosso beneplácito, a fim de que mereçamos enriquecer-nos de boas obras, em o Nome de vosso Filho muito amado, que, sendo Deus, convosco vive e reina.

Leitura epístola de São Paulo Apóstolo aos Gálatas 4. 1-7

A vinda de Cristo transformou totalmente a condição dos homens com relação a Deus. Tornados filhos d’Ele, como tais se lhe dirigem, certos de serem escutados e acolhidos pelo Pai celeste. S. Paulo que fala a Judeus convertidos, compara-lhes a antiga situação à de herdeiros de menor idade, tutelados até à maioridade legal. Com a vinda de Jesus, o povo de Deus atinge maioridade e entra na posse e usufruto da herança prometida.

Fratres: Quanto témpore heres párvulus est, nihil differt a servo, cum sit dóminus ómnium: sed sub tutóribus et actóribus est usque ad præfinítum tempus a patre: ita et nos, cum essémus párvuli, sub eleméntis mundi erámus serviéntes. At ubi venit plenitúdo témporis, misit Deus Fílium suum, factum ex mulíere, factum sub lege, ut eos, qui sub lege erant, redímeret, ut adoptiónem filiórum reciperémus. Quóniam autem estis fílii, misit Deus Spíritum Fílii sui in corda vestra, clamántem: Abba, Pater. Itaque iam non est servus, sed fílius: quod si fílius, et heres per Deum.

Irmãos: 1Enquanto o herdeiro é menino, em nada difere do servo, ainda que de tudo seja senhor; 2mas está sujeito a tutores e curadores até o tempo determinado pelo pai. 3Assim também nós, quando éramos meninos, éramos sujeitos às leis do mundo. 4Quando, porém, se cumpriu a plenitude do tempo, enviou Deus o seu Filho, nascido de uma mulher, sujeito à lei, 5a fim de remir os que à lei estavam sujeitos e para que recebêssemos a adoção de filhos. 6E porque sois filhos, enviou Deus a vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Abba, Pai. 7Portanto, já nenhum de vós é servo, mas filho; e se é filho, também é herdeiro por Deus.

Gradual / Salmo 44. 3 e 2

Gradual e Aleluia, são cantos intercalares, por via de regra, tirados dos salmos e que traduzem os devotos afetos produzidos na alma pela leitura da Epístola ou sugeridos pelo Mistério do dia.

Speciósus forma præ filiis hóminum: diffúsa est gratia in lábiis tuis. ℣.Eructávit cor meum verbum bonum, dico ego ópera mea Regi: lingua mea cálamus scribæ, velóciter scribéntis.

Ultrapassais em formosura os filhos dos homens; a graça derramou-se em vossos lábios. ℣.Exulta o meu coração em alegre canto: ao Rei dedico as minhas obras. Minha língua é como a pena do escriba, que escreve velozmente.

Aleluia / Salmo 92. 1

“Aleluia” é um grito de júbilo, que significa: “louvai ao Senhor”.

Allelúia, allelúia. ℣. Dóminus regnávit, decórem índuit: índuit Dóminus fortitúdinem, et præcínxit se virtúte. Allelúia.

Aleluia, aleluia. ℣.O Senhor é Rei, envolto em magnificência; revestiu-se o Senhor de força e cingiu-se de poder. Aleluia.

Evangelho segundo São Lucas 2. 33-40

Dois anciãos, iluminados pelo Espírito Santo — Simeão e a profetisa Ana — reconhecem em Jesus o Messias, e imediatamente se proclama a grande discriminação que terá de fazer-se entre os homens: a atitude que tomarem com Ele revelará o fundo dos corações e fixará o destino eterno de cada qual.

In illo témpore: Erat Ioseph et Maria Mater Iesu, mirántes super his quæ dicebántur de illo. Et benedíxit illis Símeon, et dixit ad Maríam Matrem eius: Ecce, pósitus est hic in ruínam et in resurrectiónem multórum in Israël: et in signum, cui contradicétur: et tuam ipsíus ánimam pertransíbit gládius, ut reveléntur ex multis córdibus cogitatiónes. Et erat Anna prophetíssa, fília Phánuel, de tribu Aser: hæc procésserat in diébus multis, et víxerat cum viro suo annis septem a virginitáte sua. Et hæc vídua usque ad annos octogínta quátuor: quæ non discedébat de templo, ieiúniis et obsecratiónibus sérviens nocte ac die. Et hæc, ipsa hora supervéniens, confitebátur Dómino, et loquebátur de illo ómnibus, qui exspectábant redemptiónem Israël. Et ut perfecérunt ómnia secúndum legem Dómini, revérsi sunt in Galilaeam in civitátem suam Názareth. Puer autem crescébat, et confortabátur, plenus sapiéntia: et grátia Dei erat in illo.

Naquele tempo, 33José e Maria, Mãe de Jesus, maravilhavam-se das coisas que se diziam d’Ele. 34E Simeão abençoou-os, e disse a Maria, Mãe de Jesus: Eis que este menino está destinado para ser ruína e ressurreição de muitos em Israel, e para ser alvo de contradição. 35E uma espada trespassará a tua alma, para que se manifestem os pensamentos dos corações de muitos. 36E estava também ali Ana, profetisa, filha de Fanuel, da tribo de Aser, a qual já era muito idosa; 37e depois de sua virgindade vivera 7 anos com seu marido. E agora, sendo viúva de quase oitenta e quatro anos, não se afastava do templo, servindo a Deus com jejuns e orações, de dia e de noite. 38Tendo ela chegado àquela mesma hora, louvava ao Senhor e falava do Menino a todos os que esperavam a redenção de Israel. 39E quando cumpriram todas as coisas segundo a lei do Senhor, voltaram [José e Maria] para a Galiléia, para a sua cidade de Nazaré. 40E o menino crescia e se fortalecia, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava com Ele.

CREDO…

Concluímos a Ante-Missa com essa profissão de fé.

Breve compêndio das verdades cristãs e Símbolo da fé católica. Com a Igreja, afirmemo-las publicamente e renovemos a profissão de fé que fizemos no Batismo.

Ofertório / Salmo 92. 1-2

Com o Ofertório, começa a segunda parte da Missa ou Sacrifício propriamente dito.Três elementos o constituíam antigamente: apresentação das oferendas, canto de procissão, oração sobre as oblatas.

Deus firmávit orbem terræ, qui non commovébitur: paráta sedes tua, Deus, ex tunc, a saeculo tu es.

O Senhor firmou o orbe da terra, que não será abalado. Vosso trono está preparado desde então, ó Deus; Vós sois desde toda a eternidade.

Secreta

É a antiga “oração sobre as oblatas”, ponto de ligação entre o Ofertório e o Cânon. É neste último que se faz propriamente a oblação do sacrifício.

Concéde, quǽsumus, omnípotens Deus: ut óculis tuæ maiestátis munus oblátum, et grátiam nobis piæ devotiónis obtineat, et efféctum beátæ perennitátis acquírat. Per Dominum nostrum Iesum Christum.

Concedei, Vos rogamos, ó Deus onipotente, que a dádiva oferecida ante os olhos de Vossa Majestade nos alcance a graça de um devotado espírito de sacrifício e a posse da eterna felicidade. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Communio / São Mateus 2. 20

Alternando com o canto dum salmo, acompanhava (e ainda hoje pode acompanhar) a comunhão dos fiéis.

Nas Missas cantadas, se canta, enquanto o sacerdote toma as abluções e recita as orações seguintes em que se pedem para a alma os frutos da Comunhão.

Tolle Púerum et Matrem eius, et vade in terram Israël: defúncti sunt enim, qui quærébant ánimam Púeri.

Toma o Menino e sua Mãe, e vai para a terra de Israel, porque já são mortos os que procuravam tirar a vida do Menino.

Postcommunio

Súplica a Deus para que nos conceda os frutos do Sacrifício.

Per huius, Dómine, operatiónem mystérii, et vitia nostra purgéntur, et iusta desidéria compleántur. Per Dominum nostrum Iesum Christum.

Fazei, Senhor, que, pela força deste Mistério, sejamos purificados de nossos vícios, e se cumpram os nossos justos desejos. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Meditação

Sinal de Contradição

Perante Jesus o mundo divide-se: amigos e inimigos. Ó Senhor, que eu seja dos primeiros e dos mais amantes!

1 — A Missa de hoje é um eco do Natal; mas, enquanto recorda a sua suavidade e alegria, reveste-se também de uma nota de profunda tristeza. O Evangelho (Lc. 2. 33-40) transporta-nos de repente a quarenta dias depois do nascimento de Jesus, quando Ele é apresentado no templo, e refere-nos a profecia de Simeão: « Eis que este Menino está posto para ruína e para ressurreição de muitos em Israel e para ser alvo de contradição ».

O Filho de Deus faz-Se homem para todos os homens, traz e oferece a todos a salvação; muitos, porém, não O receberão. É o grande mistério da liberdade humana. Deus põe diante de Si a criatura inteligente e livre; oferece-lhe todos os tesouros de salvação e de santidade encerrados nos méritos infinitos de Jesus Cristo; o homem é livre para os aceitar ou recusar. Eis a nossa tremenda responsabilidade. Jesus veio para nos salvar, para nos santificar, para Se dar todo às nossas almas: está pronto a fazê-lo, deseja fazê-lo e todavia não o fará se nós não aceitarmos livremente o Seu dom infinito, se não correspondermos às Suas solicitações amorosas com o dom insignificante mas livre da nossa vontade. « Deus não força a nossa vontade, toma o que Lhe damos, mas não Se dá de todo até que de todos nos demos a Ele » (T.J.Cam. 28,12).

A profecia de Simeão dirige-se depois diretamente à Virgem Mãe: « Uma espada trespassará a tua alma ». A visão sangrenta do Calvário cruza-se, de súbito, com a visão do natal, lembrando-nos que o terno Menino de Belém é o Cordeiro divino que deve ser imolado para a salvação do mundo.

2 — Entre todos os que se achavam no templo quando o Menino Jesus aí foi apresentado só duas pessoas reconheceram o Salvador: o velho Simeão e a profetiza Ana. De Simeão foi dito que « era justo e temente [a Deus] e esperava a consolação de Israel e o Espírito Santo encontrava-se nele » (Lc. 2, 25); de Ana que « não se afastava do templo, servindo a Deus noite e dia com jejuns e orações ». Estas são as características das almas bem dispostas a aceitar a obra redentora de Jesus: retidão de espírito e de vontade, desejo sincero de Deus, recolhimento, oração, mortificação. Quanto mais profundas forem estas disposições, mais aberta estará a alma à ação divina; a luz do Espírito Santo faz-lhe reconhecer em Jesus o seu salvador, o seu santificador, e Jesus pode cumprir plenamente nela a Sua obra. A estas almas se aplicam, dum modo particular, as magníficas palavras de S. Paulo na Epístola de hoje (Gal. 4, 1-7): « e porque vós sois filhos, Deus mandou aos vossos corações o Espírito de Seu Filho, que clama; Abba, Pai ».

A cada cristão, a cada um dos remidos com o Sangue de Jesus, diz o Apóstolo: « Já não és servo mas filho; e, se és filho, também és herdeiro por Deus »; infelizmente nem todos os cristãos vivem como verdadeiros filhos de Deus: no batismo receberam a « adoção de filhos », mas não sabem corresponder com as obras a este imenso dom gratuito, fruto dos méritos de Jesus.

Quando, pelo contrário, a alma secunda generosamente a ação divina, esta ação invade-a e o Espírito Santo, o Espírito de Jesus, grita do fundo do seu coração: « Abba, Pai »!

Extraído do Livro Intimidade Divina­ — P. Gabriel de Santa Maria Madalena O.C.D.
Segunda edição (Traduzida da 12ª edição italiana) — 1967.

Deixe seu Comentário


Todos os direitos reservados : Trinity Web