« Liturgia Dominical » 8 de dezembro de 2017 † Imaculada Conceição de Nossa Senhora branco – 1ª classe. “ Entrando o Anjo onde ela estava, disse: Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é contigo. ” Ev. Intróito / GAUDENS — Isaias 61. 10; Salmo 29. 2 O Intróito como que enuncia o tema geral […]
" /> Liturgia Dominical – † Imaculada Conceição de Nossa Senhora

Liturgia Dominical – † Imaculada Conceição de Nossa Senhora

« Liturgia Dominical »
8 de dezembro de 2017

† Imaculada Conceição de Nossa Senhora
branco – 1ª classe.

“ Entrando o Anjo onde ela estava, disse: Ave, Maria, cheia de graça, o Senhor é contigo. ” Ev.

Intróito / GAUDENS — Isaias 61. 10; Salmo 29. 2

O Intróito como que enuncia o tema geral da Missa ou série do Ensino Fundamentalsolenidade do dia.

Canto solene de entrada, o Introito como que enuncia o tema geral da Missa ou solenidade do dia. Compunha-se antigamente duma antífona e de um salmo, que se cantava por inteiro. Hoje o salmo está reduzido a um só versículo.

Gaudens gaudébo in Dómino, et exsultábit ánima mea in Deo meo: quia índuit me vestiméntis salútis: et induménto iustítiæ circúmdedit me, quasi sponsam ornátam monílibus suis. Ps. Exaltábo te, Dómine, quóniam suscepísti me: nec delectásti inimícos meos super me. ℣. Glória Patri.

Cheia de júbilo estou diante do Senhor, e minha alma exulta em meu Deus, pois, Ele me revestiu com a vestimenta da salvação, e me cobriu com o manto da justiça, como esposa adornada com suas joias. Sl. Eu Vos glorifico, Senhor, por que, me protegestes e não consentistes que meus inimigos se alegrassem à minha custa. ℣. Glória ao Pai.

Oração (Colecta)

Pedimos ao Senhor aquilo de que precisamos nesse dia para a nossa salvação.

Numa breve oração, o celebrante resume e apresenta a Deus os votos de toda a assembleia, votos estes sugeridos pelo mistério ou solenidade do dia.

Deus, qui per immaculátam Vírginis Conceptiónem dignum Fílio tuo habitáculum præparásti: quǽsumus; ut, qui ex morte eiúsdem Filii tui prævísa eam ab omni labe præservásti, nos quoque mundos eius intercessióne ad te perveníre concédas. Per eundem Dominum nostrum Iesum Christum.

Ó Deus, que pela Imaculada Conceição da Virgem, preparastes ao vosso Filho digna morada, nós Vos suplicamos que, assim como pela previsão da morte desse mesmo Filho a preservastes de toda mancha, façais, por sua intercessão, que também nós cheguemos à vossa presença, purificados de toda culpa. Pelo mesmo Jesus Cristo.

Epístola extraída do livro dos Provérbios 8. 22-35

Poder e presença eterna na mente de Deus, solicitude com os interesses dos homens, que podem, ouvindo-Lhe os conselhos, encontrar os caminhos da salvação, tais são os predicados da Sabedoria Eterna, que a Santa Igreja aplica a Nossa Senhora e igualmente a Jesus Cristo, tão intimamente ambos se associam na realização dos grandes desígnios de Deus.

Dóminus possedit me in inítio viárum suárum, ántequam quidquam fáceret a princípio. Ab ætérno ordináta sum, et ex antíquis, ántequam terra fíeret. Nondum erant abýssi, et ego iam concépta eram: necdum fontes aquárum erúperant: necdum montes gravi mole constíterant: ante colles ego parturiébar: adhuc terram non fécerat et flúmina et cárdines orbis terræ. Quando præparábat cælos, áderam: quando certa lege et gyro vallábat abýssos: quando aethera firmábat sursum et librábat fontes aquárum: quando circúmdabat mari términum suum et legem ponébat aquis, ne transírent fines suos: quando appendébat fundaménta terræ. Cum eo eram cuncta compónens: et delectábar per síngulos dies, ludens coram eo omni témpore: ludens in orbe terrárum: et delíciæ meæ esse cum filiis hóminum. Nunc ergo, filii, audíte me: Beáti, qui custódiunt vias meas. Audíte disciplínam, et estóte sapiéntes, et nolíte abiícere eam. Beátus homo, qui audit me et qui vígilat ad fores meas cotídie, et obsérvat ad postes óstii mei. Qui me invénerit, invéniet vitam et háuriet salútem a Dómino.

22O Senhor me possuiu no início de seus caminhos, desde o começo, antes, que criasse alguma coisa. 23Desde a eternidade fui constituída, e desde o princípio, antes que a terra fosse criada. 24Ainda não havia os abismos, e eu já estava concebida; nem as fontes das águas haviam ainda brotado 25e ainda não estava formada a pesada massa dos montes. Não existiam as colinas, e eu já havia nascido! 26Ainda não havia Ele criado a terra, nem os rios, nem os eixos do mundo! 27Quando Ele preparava os céus, eu estava presente; quando por uma lei inviolável encerrava os abismos dentro de seus limites; 28quando firmava lá no alto a região etérea, e quando equilibrava as fontes das águas; 29quando fixava ao mar os seus limites e punha lei às águas para que não invadissem a terra, 30eu estava com Ele, regulando todas essas coisas. E cada dia me deleitava, gozando continuamente a sua companhia, 31brincando sobre o globo da terra, e deliciando-me em estar com os filhos dos homens. 32E agora, filhos meus, escutai-me. Bem-aventurados os que guardam os meus caminhos. 33Atendei às minhas instruções e sedes sensatos. Não as rejeiteis. 34Bem-aventurado o homem que me ouve, que vigia todos os dias à entrada de minha casa e se conserva em seus pórticos. 35Aquele que me achar, terá achado a vida e alcançará do Senhor a salvação.

Gradual / Judite 13. 23; 15. 10;

Gradual e Aleluia, são cantos intercalares, por via de regra, tirados dos salmos e que traduzem os devotos afetos produzidos na alma pela leitura da Epístola ou sugeridos pelo Mistério do dia.

Benedícta es tu. Virgo María, a Dómino, Deo excélso, præ ómnibus muliéribus super terram. ℣. Tu glória Ierúsalem, tu lætítia Israël, tu honorificéntia pópuli nostri.

Vós fostes abençoada pelo Senhor, Deus Altíssimo, ó Virgem Maria, superior a todas as mulheres da terra. ℣. Sois a glória de Jerusalém, a alegria de Israel e a honra de nosso povo.

Aleluia / Cântico 4. 7

Allelúia, allelúia. ℣. Tota pulchra es, María: et mácula originális non est in te. Allelúia.

Aleluia, aleluia. ℣. Toda sois formosa, ó Maria, e a mancha original não existe em vós. Aleluia.

Evangelho segundo São Lucas 1. 26-28

Da bela perícope de S. Lucas, que refere a Anunciação, escolheu a Igreja, para hoje, a saudação do anjo, para no-la colocar nos lábios e nos convidar a meditar-lhe toda a profundidade do sentido.

In illo témpore: Missus est Angelus Gábriël a Deo in civitátem Galilaeæ, cui nomen Názareth, ad Vírginem desponsátam viro, cui nomen erat Ioseph, de domo David, et nomen Vírginis María. Et ingréssus Angelus ad eam, dixit: Ave, grátia plena; Dóminus tecum: benedícta tu in muliéribus.

Naquele tempo, 26foi o Anjo Gabriel enviado por Deus, a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma Virgem desposada com um varão que se chamava José, da casa de Davi. E o nome da Virgem era Maria. 28Entrando o Anjo onde ela estava, disse: Ave, Maria, cheia de graça1, o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres.

1 Literalmente: Tu que hás sido e te conservas objeto das mercês divinas.

CREDO…

Concluímos a Ante-Missa com essa profissão de fé.

Breve compêndio das verdades cristãs e Símbolo da fé católica. Com a Igreja, afirmemo-las publicamente e renovemos a profissão de fé que fizemos no Batismo.

Ofertório / Lucas 1. 28

Com o Ofertório, começa a segunda parte da Missa ou Sacrifício propriamente dito.Três elementos o constituíam antigamente: apresentação das oferendas, canto de procissão, oração sobre as oblatas.

Ave, María, grátia plena; Dóminus tecum: benedícta tu in muliéribus, allelúia.

Ave, Maria cheia de graça, o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres. Aleluia.

Secreta

É a antiga “oração sobre as oblatas”, ponto de ligação entre o Ofertório e o Cânon.

Salutárem hóstiam, quam in sollemnitáte immaculátæ Conceptiónis beátæ Vírginis Maríæ tibi, Dómine, offérimus, súscipe et præsta: ut, sicut illam tua grátia præveniénte ab omni labe immúnem profitémur; ita eius intercessióne a culpis ómnibus liberémur. Per Dominum nostrum Iesum Christum.

Aceitai, Senhor, a hóstia de salvação que Vos oferecemos na solenidade da Imaculada Conceição da Bem-aventurada Virgem Maria, e assim como acreditamos que ela, preservada por vossa graça, foi isenta de toda mácula, assim também por sua intercessão, concedei sejamos livres de toda culpa. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Communio

Alternando com o canto dum salmo, acompanhava (e ainda hoje pode acompanhar) a comunhão dos fiéis.

Nas Missas cantadas, se canta, enquanto o sacerdote toma as abluções e recita as orações seguintes em que se pedem para a alma os frutos da Comunhão.

Gloriósa dicta sunt de te, María: quia fecit tibi magna qui potens est.

Coisas gloriosas se têm dito de vós, ó Maria. Porque, grandes coisas vos fez o Todo-Poderoso.

Postcommunio

Súplica a Deus para que nos conceda os frutos do Sacrifício.

Sacraménta quæ súmpsimus, Dómine, Deus noster: illíus in nobis culpæ vúlnera réparent; a qua immaculátam beátæ Maríæ Conceptiónem singuláriter præservásti. Per Dominum nostrum Iesum Christum.

Senhor, nosso Deus, fazei que os Sacramentos que recebemos nos curem as feridas daquele pecado, de que, por um privilégio especial, preservastes a Bem-aventurada Virgem Maria em sua Conceição Imaculada. Por Nosso Senhor Jesus Cristo.

Meditação

A Imaculada Conceição

Ponho-me na presença de Maria Imaculada, minha doce Mãe, e escuto o seu apelo: « Vinde a mim todos os que me amais e dir-vos-ei quantas coisas Deus fez na minha alma » (BR.).

1 — A festa da Imaculada Conceição harmoniza-se perfeitamente com o espírito do Advento; enquanto a alma se dispõe para a vinda do Redentor, é justo pensar naquela, « a toda pura », que foi Sua Mãe. A própria promessa do Salvador está unida, ou antes, incluída, na promessa desta Virgem singular. Depois de ter amaldiçoado a serpente enganadora, Deus proclamou: « Porei inimizades entre ti e a mulher, e entre a tua posteridade e a posteridade dela. Ela te pisará a cabeça ». (Gên. 3. 15) E eis que a Virgem anunciada avança, « branca como a neve, resplandecente como o sol, cheia de graça e bendita entre todas as mulheres ». (BR.).

Em vista do sublime privilégio que fará d’Ela a Mãe do verbo Encarnado, Maria – única entre todas as criaturas – foi preservada do pecado original. Apesar disso, não vejamos somente na Imaculada, a preservação do pecado original, a ausência absoluta da mais tênue sombra de imperfeição, mas vejamos também o aspecto positivo deste mistério que desde o primeiro momento da sua existência, fez d’Ela a cheia de graça.

Os teólogos ensinam que Maria Santíssima começou a sua carreira espiritual com uma graça muito mais abundante e perfeita do que aquela que os maiores santos alcançaram no fim da vida. Se considerarmos que, durante toda sua existência, a Santíssima Virgem correspondeu sempre dum modo pleno e total a todos os movimentos da graça e a qualquer chamamento divino, podemos adivinhar com que incessante e rapidíssimo progresso cresceram nEla a caridade e a Graça, a ponto de a converterem na criatura mais santa, mais totalmente unida a Deus e mais transformada nEle.

2 — S. João da Cruz, ao descrever as maravilhas do estado de união perfeita com Deus, apresenta-nos a Virgem Imaculada como o seu protótipo e modelo: « Tais eram as obras da gloriosíssima Virgem Nossa Senhora, que, estando desde o princípio elevada a este alto estado de união, nunca teve impressa na alma forma de qualquer criatura, nem por ela se moveu, mas sempre a sua moção foi do Espírito Santo ». (S. III, 2, 10).

Vemos, por conseguinte, realizarem-se plenamente em Maria as duas condições essenciais do estado de união. A primeira – prévia e negativa – requer que na vontade da alma não haja nada que seja contrário à vontade divina; nenhum apego que a faça prisioneira das criaturas, de sorte que estas dominem de algum modo sobre seu afeto, levando-a a agir por amor das mesmas criaturas: tudo isto deve ser eliminado. A Segunda condição – positiva e construtiva, e consequência da primeira – consiste em que a vontade humana em tudo e por tudo, seja movida unicamente pela vontade de Deus. De tal modo isto se realizou na alma puríssima da Imaculada, que nEla jamais existiu a mínima sombra de apego às criaturas, « nunca teve impressa na alma forma de qualquer criatura, nem por ela se moveu ». Mas, totalmente dominada pelo amor divino, agia somente sob o impulso e a « moção do Espírito Santo ».

Assim a Imaculada apresenta-se-nos como a Esposa puríssima do Espírito Santo, não só em relação à sua maternidade divina, mas ainda em relação a toda a sua vida, movida exclusivamente pelo seu impulso.

Extraído do Livro Intimidade Divina­ — P. Gabriel de Santa Maria Madalena O.C.D.
Segunda edição (Traduzida da 12ª edição italiana) — 1967.

Deixe seu Comentário


Todos os direitos reservados : Trinity Web