MEDITAÇÃO Ó Jesus, Príncipe dos séculos, Rei das gentes, sede o único Rei da minha mente e do meu coração. 1 — A liturgia de hoje é um verdadeiro hino triunfal em honra da Realeza de Cristo. Desde as primeiras Vésperas da festa, a figura de Jesus apresenta-se majestosa, sentada no trono real que domina […]
" /> Festa de Cristo Rei

Festa de Cristo Rei

MEDITAÇÃO

Ó Jesus, Príncipe dos séculos, Rei das gentes, sede o único Rei da minha mente e do meu coração.

1 — A liturgia de hoje é um verdadeiro hino triunfal em honra da Realeza de Cristo. Desde as primeiras Vésperas da festa, a figura de Jesus apresenta-se majestosa, sentada no trono real que domina todo o mundo: « O Seu reino é um reino sempiterno; todos os reis O hão de servir e Lhe hão de obedecer. Assentar-se-á e dominará e anunciará paz aos povos ». A Missa principia com a visão apocalíptica deste Rei singular, cuja realeza está intimamente ligada à Sua imolação pela salvação dos homens: « Digno é o cordeiro que foi imolado, de receber o poder e a divindade, a sabedoria e a força e a honra. A Ele a glória e o império pelos séculos dos séculos » (Intr.).

Na Epístola (Col. 1, 12-20), S. Paulo enumera os títulos que fazem de Cristo o Rei de todos os reis. « Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criatura; porque nEle foram criadas todas as coisas nos Céus e na Terra, as visíveis e as invisíveis ». Estes títulos pertencem a Cristo como Deus, imagem perfeita do Pai, causa exemplar de todas as criaturas terrestres e celestes e também como Criador, juntamente com o Pai e o Espírito Santo, de tudo quanto existe, de modo que nada existe sem Ele, mas « tudo foi criado por Ele e para Ele… e todas as coisas subsistem por Ele ». Seguem-se os títulos da Sua realeza como homem: « Ele é a cabeça do Corpo da Igreja … e foi do agrado de Deus que por Ele fossem reconciliadas conSigo todas as coisas, pacificando-as pelo Sangue da Sua Cruz ». Sendo já nosso Rei pela Sua divindade, é-o igualmente em virtude da Sua Encarnação, que O constituiu Cabeça da humanidade e também pela Sua Paixão, mediante a qual reconquistou as nossas almas, que já Lhe pertenciam como criaturas, à custa do Seu Sangue. Jesus é nosso Rei no sentido mais amplo da palavra: criou-nos, remiu-nos, vivifica-nos com a Sua graça, alimenta-nos com a Sua carne e com o Seu Sangue, governa-nos com o Seu amor e através do amor atrai-nos para Si. Em face de tais considerações, brota espontaneamente do nosso coração o grito de S. Paulo: « Demos graças a Deus Pai… que nos livrou do poder das trevas e nos transferiu para o reino do Filho do seu amor, no qual temos a Redenção, a remissão dos pecados ».

2 — No Evangelho do dia (Jo. 18, 33-37), temos a mais autorizada proclamação da Realeza de Cristo, pois saiu dos Seus próprios lábios, num momento soleníssimo, no processo que precedeu a Sua Paixão. Pilatos interroga-O precisamente a este respeito: « Tu és o rei dos Judeus? » A esta primeira pergunta Jesus não responde diretamente; Ele, com efeito, não é rei de um povo determinado e o Seu reino nada tem que ver com os reinos da Terra. Mas à segunda pergunta, mais exata que a primeira: « Logo, tu és rei? », responde sem reticências: « Tu o dizes, sou rei ». Jesus declara a Sua realeza do modo mais formal, diante da suprema autoridade da Palestina e declara-a não no meio de um povo que aplaude, nem no meio do triunfo dos Seus milagres, mas preso com cadeias, diante daquele que está para O condenar à morte, na presença de um povo sedento do Seu sangue, poucos momentos antes de ser arrastado para o Calvário onde, no alto da Cruz, acima da Sua cabeça coroada de espinhos, aparecerá pela primeira vez o título da sua realeza: « Jesus Nazareno, Rei dos Judeus » (Jo. 19, 19). Ele, que fugira quando as turbas entusiasmadas O queriam fazer seu rei, proclama-Se rei no meio das inauditas humilhações da Paixão, afirmando assim claramente que o Seu reino não é deste mundo, que a Sua realeza é tão sublime que nenhum vitupério, nenhum ultraje a pode ofuscar. Mas com este gesto, Jesus diz-nos também que gosta muito mais de fazer resplandecer a Sua realeza sob o aspecto de conquista realizada à custa do Seu Sangue, do que sob um título que Lhe pertence em virtude da Sua natureza divina.

Com todo o ímpeto da nossa alma, devemos ir ao encontro deste Rei divino que Se nos apresenta sob um aspecto tão humano, tão amoroso, tão acolhedor, deste Rei divino que estende os Seus braços sobre a Cruz, a fim de a todos nos atrair a Si, que nos mostra a chaga do lado como símbolo do Seu amor. Não somente não queiramos fugir ao Seu império, mas peçamo-lo, solicitemo-lo, para que Ele tenha o primado na nossa mente e no nosso coração, para que exerça um pleno domínio sobre a nossa vontade; nós, com tudo o que temos, queremos sujeitar-nos « ao Seu suavíssimo império » (Colecta).

Extraído do Livro Intimidade Divina­ — P. Gabriel de Santa Maria Madalena O.C.D.
Segunda edição (Traduzida da 12ª edição italiana) — 1967.

Ato de Consagração ao Sagrado Coração de Jesus

Ó dulcíssimo Jesus, Redentor do gênero humano, lançai sobre nós, humildemente prostrados na Vossa presença, o Vosso olhar. Nós somos e queremos ser Vossos. E a fim de podermos viver mais intimamente unidos a Vós, cada um de nós se consagra, espontaneamente, neste dia, ao Vosso Sacratíssimo Coração.

Muitos há que nunca Vos conheceram; muitos, desprezando Vossos mandamentos, Vos renegaram. Benigníssimo Jesus, tende piedade de uns e de outros e trazei-os todos ao Vosso Sagrado Coração.

Senhor, sede Rei não somente dos fiéis que nunca de Vós se afastaram, mas também dos filhos pródigos que Vos abandonaram; fazei que estes retornem quanto antes à casa paterna, para não perecerem de miséria e de fome.

Sede Rei dos que vivem iludidos no erro ou separados de Vós pela discórdia; trazei-os ao porto da verdade e à unidade da fé, a fim de que em breve haja um só rebanho e um só Pastor.

Senhor, conservai incólume a Vossa Igreja e dai-lhe uma liberdade segura e sem peias; concedei ordem e paz a todos os povos; fazei que de um pólo a outro do mundo ressoe uma só voz: louvado seja o Coração divino que nos trouxe a salvação, honra e glória a Ele por todos os séculos. Amém.

S.S. Pio XI, 11 de dezembro de 1925.
(Indulgência Plenária, cf. Enchir. Ind. n. 27).

Deixe seu Comentário


Todos os direitos reservados : Trinity Web